domingo, 9 de novembro de 2014

Importância do culto infantil -

Pessoal, encontrei esse material maravilhoso para quem quer ensinar as crianças do maternal amar a casa de Deus e adorá-lo.O currículo cumpre o período de quatro meses se você fizer o Culto Infantil uma vez por semana. Vale a pena você conhecer esse portal, segue o link: http://portalsementinhakids.com/2009/05/serie-de-licoes-eu-amo-a-minha-igreja/ Abaixo segue a apostila que montei sobre o Culto Infantil: A IMPORTÂNCIA DO CULTO INFANTIL PARALELO E NA NAVE DO TEMPLO ORGANIZADORA: LÚCIA VERÍSSIMO MONTEIRO Instrui a criança no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele. (Provérbio 22:6) Índice I – INTRODUÇÃO...................................................................................................2 II - CULTO INFANTIL ............................................................................................3 III - A IMPORTÂNCIA DO CULTO INFANTIL PARALELO ..................................4 IV- IMPLANTANDO O CULTO INFANTIL PARALELO ........................................6 V- ORGANIZANDO O CULTO DA CRIANÇA MISSIONÁRIA NO TEMPLO ......11 VI – CONCLUSÃO ...............................................................................................15 VII - REFERÊNCIAS ............................................................................................16 ANEXO .........................................................................................................17 I – INTRODUÇÃO Desejo sublinhar neste material a importância do ensino da palavra de Deus para a vida das crianças. É bem verdade que ainda existem famílias cristãs que se preocupam com a formação cristã dos seus filhos, mas a maioria deixa a desejar. Vamos medir quanto tempo elas têm contato com o ensino verdadeiramente cristão. Na igreja é no máximo seis horas, isto calculando que elas estejam na escola dominical, e no culto infantil à noite. Sonhemos que em todas nossas famílias haja devocional familiar, ou tempo específico com as crianças para o ensino cristão na palavra, de mais uma hora semanal. Qual o resultado? Teremos então seis ou cinco horas semanais de tempo para formação cristã, para ensinar a criança no caminho que ela deve andar. Seria isto suficiente? Já sabemos a resposta. É não! Especialmente porque o tempo que elas tem debaixo de outras influências é imensamente maior. O certo é que as crianças, hoje, recebem mais influências dos programas de televisão, dos jogos eletrônicos, da internet, dos colegas de escola, do que dos pais ou da Igreja. Em geral muitos pais são permissivos, entregam o que é a sua responsabilidade, a formação das crianças, a terceiros, os quais na sua maioria não têm o temor de Deus. A cultura dos diversos veículos da mídia está corrompendo os valores morais, princípios bíblicos das crianças, e muitos de nós assistimos a isto, sem reação alguma vamos engolindo o engodo. Diante deste quadro que o mundo oferece as nossas crianças, infelizmente ainda existem pessoas na igreja que indagam – Por que fazer o Culto Infantil? Já temos o culto dos adultos! É errado fazer o culto infantil, pois as crianças precisam ficar na igreja com seus pais se esforçando para entender o sermão, antigamente era assim! . – A criança deve participar do culto com os adultos, para aprender a se comportar na igreja. – Se já tem Escola Dominical para quê Culto infantil? Estes acham que o Culto Infantil não é necessário porque não sabem nem o que é, e muito menos, o valor que ele tem para a vida espiritual das crianças. A igreja deve cumprir o seu papel também, e investir no Ministério Infantil. Portanto, considerando a realidade em que vivemos hoje com o avanço tecnológico, nós a “igreja”, e a “família” precisamos agir com a máxima urgência, investindo mais no processo do crescimento e formação cristã infantil, assim como, a Escola Dominical é a maior escola de educação cristã, o Culto Infantil é mais uma porta de ensino cristão para as crianças na igreja, por isso é importante tê-lo. Devemos procurar preencher todo o espaço possível na vida das crianças, tanto no ambiente familiar como na igreja, com atividades edificantes, e ganhá-las para Cristo, antes que o diabo através do seu mundo mentiroso e atrativo trague-as. Por isso, este material foi elaborado visando abordar a importância do Culto Infantil Paralelo, para a vida das crianças, e para a igreja do Senhor. Busca-se também apresentar sugestões para melhor dinamizar o Culto da Criança Missionária, no cotidiano da igreja, e habilidades da equipe envolvida com o trabalho infantil. O intento disso é unificar os envolvidos na obra do reino de Deus, para implementar na cultura da igreja, a importância do Culto Infantil. II - CULTO INFANTIL “Quem ganha uma criança ganha uma vida inteira.” O Culto Infantil em algumas igrejas é o cultinho. Essa expressão surgiu para denotar que o trabalho era para as crianças. A idéia era mostrar um momento de louvor e adoração na linguagem da criança. Entretanto, o cultinho também dá uma impressão de culto menor, inferior, o que não ocorre na realidade. O culto a Deus é um grande momento e culto das crianças não é cultinho; é o mais sublime momento de louvor que um ser humano pode entregar ao Senhor e Criador, como o próprio Cristo afirmou (Mateus 21:16), desde que seja dirigido para esse fim, independentemente da idade daqueles que ali estão. “Na nossa igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério Missões”, acontecem dois tipos de cultos, o que é realizado com as crianças, o Culto da Criança Missionária que acontece uma vez durante o mês, mas precisamente na segunda quinta-feira, logo após o culto de missões dos adultos, na nave do templo, e o Culto Infantil Paralelo, é o que se realiza simultaneamente ao culto dos adultos. O paralelo, ainda são poucas as congregações que realizam. 1) O que é Culto Infantil? Jesus disse: “Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto”. ((Mt 4:10). CULTO é “adoração ou homenagem a divindade e qualquer de suas formas e em qualquer religião”. (Conforme o dicionário de Aurélio). O conceito bíblico básico de CULTO é o de serviço. Antigo Testamento – a ênfase está em grande parte na adoração congregacional. Além dos rituais de sacrifício e queima de incenso que o povo de Israel praticava, as pessoas expressavam amor e gratidão a Deus. Novo Testamento – a palavra mais frequentemente empregada significava, na sua origem, beijar a mão de alguém, como sinal de consideração, fazendo-se uma inclinação respeitosa. Jesus participou tanto do culto no templo quanto na sinagoga, mas ensinava que o verdadeiro culto era o amor a Deus e ao próximo (Lc 10:25; 4:20; Tg 1:27). Uma observação importante: as crianças estavam presentes nas principais celebrações do povo de Israel (Js 8:35; IICr20: 13; Ne 12:43). Elas louvaram a Jesus em Sua entrada triunfal em Jerusalém (Mt 21:15). Logo, o culto infantil é um trabalho (serviço) onde as crianças reunidas na presença de Deus podem mostrar que o amam com todo o seu ser. É quando o espírito, a mente, à vontade, as emoções e o corpo estão todos envolvidos na adoração a Deus. “O culto infantil é uma atividade de adoração realizada com as crianças”. Adoração é a veneração e culto que rendemos ao Senhor, quando reconhecemos sua grandeza. Uma parte fundamental da adoração é a submissão de nossa consciência à sua lei. ( João Calvino). 2) - Missão do Culto Infantil Glorificar a Deus ensinando as crianças a adorá-lo com reverência, nos termos dos padrões de culto estabelecidos nas instruções do Ministério da nossa Igreja Assembléia de Deus. 3) - Visão do Culto Infantil Crianças que adorem a Deus de forma bíblica, autêntica, fervorosa e transformadora. III - A importância do Culto Infantil Paralelo a) - O culto infantil é importante, pois: 1- permite uma integração mais fácil das crianças posteriormente no “culto dos”. “Adultos”; 2- possibilita à criança um espaço para participar ativamente do culto, seja. lendo a Bíblia, cantando, entregando boletim, orando, num contexto maior da congregação; tirando oferta, realizando o momento missionário etc.; 3- cria uma interação maior entre pastor, líderes e crianças. É muito comum a Experiência das crianças dizerem: “Aquele é o meu pastor!”; “Aquela é a minha”. Professora! Pois se sentem valorizadas ao ouvirem e verem os mesmos pregando para elas. 4- é uma forma didática de ensinar as crianças algumas doutrinas importantes, tais como dízimo, batismo, apresentação de crianças, entre outras; 5- dá a criança um profundo senso de auto-valorização, tal qual Jesus fez quando pegou as crianças no seu colo e disse aos discípulos que não as impedissem de virem a Ele. Precisamos nos dedicar às crianças, mais do que simplesmente passar a mão na sua cabeça. 1) - Atribuições do Culto Infantil paralelo Preparar e conduzir um culto para crianças de até dez anos, semelhante ao culto dos adultos, com adaptações pertinentes de linguagem e forma; Ensinar as crianças sobre a importância da adoração ao Senhor no culto; Ensinar as crianças a aproximarem-se de Deus através da oração e dos cânticos, e a ouvirem a voz do Senhor na pregação, respondendo com amor, gratidão e obediência; Ensinar as crianças como devem desfrutar e se comportar no culto infantil e dos adultos; Auxiliar as crianças a compreender e desfrutar de cada uma das partes da programação do culto (liturgia); Estimular as crianças a convidar outras pessoas para o culto. 2) - Informações úteis sobre o Culto Infantil paralelo Enquanto os adultos ouvem com tranquilidade a pregação da palavra de Deus no culto dentro da igreja, o culto infantil paralelo acontece, com as crianças de até dez anos, que são edificadas com mensagens bíblicas, atividades pedagógicas e louvor, tudo feito com carinho, respeito, reverência e alegria. No culto infantil paralelo, os pequeninos aprendem sobre Deus, a Bíblia e liturgia, preparando-se para integrar-se, futuramente, ao corpo de adoradores adultos. a) O culto infantil deve ocorrer à noite em um dia ou mais da semana depende do acordo que for feito com o pastor da igreja, com exceção no dia de Santa Ceia. No culto de ceia do Senhor, as crianças participam com os adultos, colocando em prática aquilo que aprenderam. b) Considerando que na nossa igreja a maioria dos cultos de doutrina, nas congregações acontecem na terça-feira, por isso aconselhamos que seja ideal esse dia para acontecer o Culto Infantil Paralelo. 3) - A equipe do culto infantil paralelo trabalha considerando os seguintes aspectos: O culto infantil tem por objetivo não apenas dar aos adultos um momento tranquilo para ouvirem as pregações, mas ensinar as crianças sobre a importância do culto e oferecer-lhes um espaço de adoração com o qual elas se identifiquem. O culto infantil, que tem a mesma importância do culto dos adultos, é realizado com reverência e seguindo o mesmo padrão litúrgico dos adultos. O culto infantil é diferente da escola dominical, por enfatizar a prática da adoração litúrgica bíblica. Assim como no culto dos adultos, a pregação, estruturada em linguagem acessível, é o elemento central do culto infantil. IV – Implantando o Culto Infantil paralelo 1) Comece com muita oração e sempre na dependência do Espírito Santo; 2) Faça uma pesquisa com as crianças que congregam a sua igreja para saber: quantidade, idade, família, e outros. 3) Faça planejamento da equipe de trabalho: A equipe do Culto Infantil paralelo deve ser adaptada conforme a disponibilidade das pessoas envolvidas neste trabalho e a quantidade de crianças. Talvez a mesma pessoa possa ocupar duas funções ou você pode ampliar as funções. a) Coordenador geral: responsável pelo bom funcionamento do trabalho e responsável pela abertura do Culto. b) Dirigente ou orientador dos diversos grupos: (divididos em faixas etárias é aquele que vai conduzir o Culto, trazer a mensagem e orientar as atividades). Obs. Para dirigir a liturgia do Culto você pode fazer uma escala com as próprias crianças. c) Auxiliar: que vai ajudar na disciplina, cânticos e atividades lúdicas (pode ser jovens ou adolescentes que amam e sejam treinados para este trabalho). d) Músico: acompanhará o período de louvor. Um bom instrumentista é fundamental. Na ausência de um instrumentista, use play-back, ou cantem à capela. IMPORTANTE: A equipe deve ter como meta: · Ter experiência real com Jesus Cristo; · Ser crente cheio do Espírito Santo; · Conhecer as necessidades básicas da criança; · Saber as características próprias das idades com as quais vai trabalhar; · Esmerar-se no preparo do Culto infantil e no ensino da Palavra (RM 12:7) Obs. Só implante o Culto Infantil em sua congregação se houver estrutura, ou um espaço que seja adequado para acomodar as crianças. Se for um ambiente que escuta o culto dos adultos, ou outro barulho qualquer, torna-se impossível as crianças oferecem seu culto a Deus tranquilamente. 4) Elementos principais do Culto Infantil: a) Oração – o que eu digo para Deus. A oração é o momento em que a criança se comunica com o Senhor. Podem ser de adoração (exaltando o caráter de Deus), confissão, gratidão, petição e intercessão. É importante variar os métodos e os motivos de oração. Ex. mural de oração, caixa com fichas de diversos modelos, oração em duplas, oração de joelhos com pouco tempo, em grupos, orar por países, etc. É importante desde cedo incentivar nossas crianças a manter o hábito da oração, sabemos que ela é de grande valia para nos manter em contato com Deus, e sabemos muito bem da dificuldade de nós adultos mantermos este hábito, por isso se nossas crianças chegam à Igreja, vamos pedir para elas “ajoelharem-se” e a orar, e não ficar nos bancos correndo para lá e para cá. Tenho por certo que o hábito vai ser tornar futuramente em um aliado de nossas crianças, uma vez que fazendo hoje, não esquecerão amanhã. b) Bíblia- Leitura Bíblica – o que Deus diz para mim. Incentive cada criança a usar a sua Bíblia. A Bíblia deve ficar em lugar de destaque: - usada para o aprendizado das verdades divinas; - ensina adorar a Deus; - ensina orar - obter pedidos e respostas; - dá exemplos de conduta, consagração, de vida em geral. c) Varie o período da leitura bíblica, orientando para que a leitura seja feita pelos meninos, pelas meninas, todos juntos, só dirigente ou algumas crianças. Use sua criatividade para dinamizar o culto infantil. d) Mensagem: A mensagem bíblica (sermão) é o período em que a criança vai ouvir o que Deus tem para ela, através da Palavra de Deus. e) Música – Momento do Louvor – uma das formas de expressar a adoração, louvor, à gratidão e o amor ao Criador são através da música. Use cânticos e hinos com letras apropriadas à compreensão e voz infantil. O canto pode ser congregacional, ou de grupos musicais da igreja, e deve ter também no mínimo um hino da harpa cristã. f) Atividades complementares – são atividades importantes em que as crianças estão envolvidas no culto e tem finalidades diversas. Não é necessário colocar todas as atividades descritas a seguir, o que define qual deve entrar é a equipe de trabalho disponível, os objetivos de cada culto ou assunto do quadrimestre, trimestre ou mês. -Testemunho – oportunidade para que as crianças compartilhem o que Deus já realizou em suas vidas. A finalidade é edificar, e a criança ao testemunhar glorificar a Deus. - Oferta/Dizimo – nem todas as igrejas tem o momento para ofertar. A criança desde cedo deve aprender a importância sobre o dízimo, oferta missionária e outros tipos de ofertas (conforme campanhas que são realizadas na igreja). - Concurso – incentive a criança a aprender e a participar do culto. Você pode avaliar a aprendizagem, corrigi-las e ajudá-las a pensar. Podem ser com perguntas da mensagem, pontualidade, visitas, frequência e outros. - Atividades lúdicas – são brincadeiras bíblicas (com balão de festa, maquetes, desenhos, colagens, dramatização, etc.) Tem a finalidade de fixar o ensino e verificar a aprendizagem. - Apresentações especiais – com vídeo, slides, entrevistas com um pastor, missionário e outros. Sendo para edificação devemos sempre procurar trazer algo novo para o culto, pois criança gosta de novidade e isso facilita a aprendizagem. - Aconselhamento – no culto infantil é importante que a mensagem da salvação seja pregada, para isso tenha uma equipe treinada para o momento do aconselhamento com as crianças que aceitarem a Cristo como Salvador. g) Atividades para o envolvimento com os pais – o seu programa deve ter atividades que possam incentivar os pais a fazerem o culto doméstico (planeje algumas atividades para os pais fazerem em casa com as crianças) e reuniões com o objetivo de mostrar a importância da família no crescimento espiritual da criança. 5) Disciplina no Culto Infantil – A disciplina no culto infantil é muito importante. Mas, como o dirigente, coordenador e músico poderão demonstrar autoridade e manter a disciplina? Toda criança necessita de disciplina, mas não é necessário que a disciplina seja severa ou hostil, pois isto irá produzir na criança comportamento agressivos e inadequados. Existem algumas características necessárias para que a autoridade seja eficaz. Firmeza – a autoridade não pode ser sujeita a mudanças. Deve ser manifestada em voz baixa, mas a sua firmeza significa decisão tomada. Razoabilidade – a autoridade deve ser justa, sem exigências desproporcionais e sem excessos. Por esta razão é importante que o dirigente conheça as características da faixa etária que está ministrando. Delicadeza – a autoridade deve ser exercida de forma delicada, com atitudes e gestos naturais e não de forma bruta e com gritos. Se estas três características forem obedecidas, o dirigente/coordenador não necessitará mostrar-se autoritário, que é muito diferente de ter autoridade. E assim, obterá uma boa disciplina. 6) Local, móveis e equipamentos – O local do culto deve ser preparado com (antecedência pelo menos 20 minutos antes). Se na sua congregação não tem departamento infantil, isto não deve ser empecilho para realizar o culto com as crianças. Sabemos que a infra-estrutura é muito importante também, mas a palavra de Deus é muito mais urgente. Procure um espaço que seja adequado para cultuar com as crianças e não olhe para as circunstâncias. Pois Deus lhe recompensará grandemente. Programação do Culto Infantil - Eles adoram cantar, e se não ganharem oportunidade, “ficam tristes e até bravos”. Por isso é importante fazer uma “escala do culto em si, quem vai ler a palavra, quem vai orar, e quem deseja louvar”. Mas sempre há muitas crianças para louvar, então faça o seguinte, converse com eles e diga que “se não der para louvar neste culto, terão oportunidade no próximo” Mas não se esqueça de deixar anotados os nomes, por que se esquecer eles certamente não esquecerão. Além do que incentivar elas a louvarem é uma benção, pois podemos estar “gerando” talentos, e ainda assim estamos incentivando-os a sempre louvar a DEUS, o que é mais importante. O Culto infantil é um espaço para colaborarmos com a formação de futuros servos de Deus. 7) Participação no Culto Infantil com os adultos: Importante: Que a equipe do Culto Infantil considere que nos dias de culto normal, salvo dia de festa, as crianças deverão entrar dez minutos antes de terminar o culto dos adultos voltando para o conjunto, com a missão de cantar um hino. Isso deve ficar acertado antecipadamente com cada dirigente da congregação. Pois, a obra do Senhor deve ser realizada com ordem e decência. Seria importante também que a equipe do culto infantil treine as crianças para apresentarem no Culto da Criança Missionária, um resumo referente ao que aprenderam nos quatro cultos paralelos. Acredito que isso contribuirá para que as crianças compreendam que elas são servas de Deus, e estão trabalho para o Senhor. MODELO 1 PLANEJAMENTO DOS CULTOS DO QUADRIMESTRE Culto Data Coordenador Geral Dirigente do grupo “Maiores” Responsável Mensagem Obs. (equipe de louvor /apoio) 1 2 3 1ª participação no culto com os adultos (ou revisão) 4 5 6 2ª participação no culto com os adultos (ou revisão) 7 8 9 3ª participação no culto com os adultos (ou revisão) 10 11 12 13 4ª participação no culto com os adultos (ou revisão) OBSERVAÇÃO IMPORTANTE Coordenador/Dirigente – Note que os cultos vão totalizar 13 dias (o dia da semana escolhido de comum acordo com seu pastor), pois uma vez por mês as crianças deverão participar no culto juntamente com os adultos. Pode ser no culto delas ou o Culto da Criança Missionária. (Extraído – Manual do dirigente – Editora Cristã) ESCALA MENSAL- MODELO 1 ESCALA DO CULTO INFANTIL - EQUIPE DOS MAIORES Faixa etária – 7 a 10 anos – MÊS: ___________ ANO: ___________ DATA Dirigente Louvor Mensagem Atividade 1º dia : Data: ___/____/____ 2º dia : Data:____/____/___ 3º dia : Data: ___/____/____ Dia: Data:____/____/____ Realização do Culto das crianças no templo juntamente com os adultos “Culto da Criança Missionária” ESCALA MENSAL - MODELO 2 ESCALA DO CULTO INFANTIL - EQUIPE DOS MENORES Faixa etária – 4 a 6 anos – MÊS: ___________ ANO: ___________ DATA Dirigente Louvor Mensagem Atividade 1º dia : Data: ___/____/____ 2º dia : Data: ____/____/___ 3º dia : Data: ___/____/____ Dia: Data: ____/___/____ Realização do Culto das crianças no templo juntamente com os adultos “Culto da Criança Missionária” V – Organizando o Culto da Criança Missionária no templo O Culto da Criança Missionária é um culto organizado pelas crianças dentro da igreja, com ajuda dos adultos, principalmente das irmãs que trabalham diretamente com elas, tendo como dirigente do culto o Agente de Missões. A faixa etária que participa do culto são as crianças de 0 a 11 anos. É importante ressaltar que o apoio de todos da igreja, no culto que as crianças oferecem ao Senhor é de suma importância, pois elas vão se sentirem honradas em ter a igreja cultuando ao Senhor juntamente com elas. a) Breve histórico do Culto da Criança Missionária O Culto da Criança Missionária tem esse nome porque foi instituído pela Secretaria de Missões por volta do ano de 1998, através do incentivo de uma equipe de irmãs que desenvolviam o Projeto Criança Missionária, tendo como objetivo geral a conscientização missionária das crianças da nossa igreja. Ele foi administrado pela Secretaria de Missões até a gestão do pastor Luiz Derço. Passando a ser coordenado pelo COI, na pessoa da irmã Vera Cavalcanti, assim que o pastor Eduardo assumiu a administração da Secretaria de Missões. O secretario de missões percebeu, que o culto da Criança Missionária obteria maior desempenho, se ficasse na responsabilidade do Departamento Infantil da igreja. Desde então a coordenação do COI tem procurado desenvolver um excelente trabalho orientando, e instruindo as irmãs, que lidam diretamente com as crianças nas congregações. Hoje a equipe do infantil é quem tem a maior responsabilidade de organizar toda a programação do Culto da Criança Missionária, juntamente com o Agente de Missões da congregação. O COI e a Secretaria de Missões tem unificado as suas forças para poder engrandecer o Reino de Deus. Essa obra é muito preciosa, porém carente, por isso, necessita cada vez mais de apoio, e outras parcerias competentes, para poder romper novas fronteiras. Palavra aos lideres das crianças: A CARREIRA MISSIONÁRIA DE JESUS CRISTO Cristo foi missionário NACIONAL na casa de Lázaro. Foi missionário INTERNACIONAL, quando os gregos foram procurá-lo. Foi missionário URBANO, quando ensinou em Samaria. Foi missionário na ESCOLA DOMINICAL, ao abrir a Palavra de Deus e ensinar as Escrituras aos que estavam presentes. Foi missionário entre as CRIANÇAS, quando as pegou no colo e as abençoou. Foi missionário entre os POBRES, quando abriu os olhos do cego que mendigava. Foi missionário entre os RICOS, quando abriu os olhos espirituais de Zaqueu. Na CRUZ, ele foi missionário entre os malfeitores. Seu último mandamento foi a Grande Comissão a todos nós: “Vão pelo mundo todo e preguem o evangelho a todas as pessoas” (Marcos 16.15). Tudo que temos a fazer é seguir o exemplo Dele. MODELO – 01 PLANEJAMENTO PARA O CULTO DA CRIANÇA MISSIONÁRIA OBJETIVOS v Desenvolver na criança amor pelas almas de todos os países; v Ensinar que elas são missionárias em qualquer lugar; v Conscientizar sobre a diversidade cultural entre todas as nações; v Incentivar a criança a ser um missionário, orando, contribuído; v Mostrar a criança que ela pode ser um missionário indo, se assim forem escolhidas por Deus para esse fim; v Compartilhar conhecimento de como instruir a criança na obra missionária com os agentes de missões, pais e mestres; v Mostrar a igreja à importância do trabalho infantil missionário; v Passar o plano de salvação para as crianças. MATERIAL DIDÁTICO: v Bíblias e Harpas; v Cartolinas Coloridas; v Cola; v Tesoura e fita adesiva; v Revistas, jornais v E outros ORGANIZAÇÃO DO AMBIENTE DO CULTO: v Atividade coletiva PROCEDIMENTOS: (dinâmica combinar) v Fazer cartazes com figuras do país que está sendo trabalhado; v Passar algumas informações para eles: Esclarecendo dados importantes sobre o país em questão, ou seja, mostrando como vive as crianças daquele país, como dormem o que comem qual a sua religião, etc. Pode ser através de uma história. Exemplo: Na África, por ser um país muito pobre, a cada um minuto morre uma criança de fome, “por não ter o que comer”. v Explicar quais são os procedimentos para montar os cartazes: q Colar figuras de crianças representando o país; q Construir uma frase de acordo como as mesmas; q Colar no lugar estratégico até o termino do culto; (Arquivar para o próximo) CONTRIBUIÇÃO MISSIONÁRIA DO CULTO: v Contribuir com os carnes, cofrinhos ou oferta missionária avulsa; v Orar pelos os missionários; v Cantar um corinho falando de missões; MODELO – 02 PROGRAMAÇÃO PARA O CULTO DA CRIANÇA MISSIONÁRIA (1) LITURGIA ABERTURA CONJUNTOS LEITURA DA PALAVRA ORAÇÃO PELA LEITURA DA PALAVRA APRESENTAÇÃO DOS VISITANTES MOMENTO DE LOUVOR - OPCIONAL MOMENTO MISSIONÁRIO INTERCESSÃO MISSIONÁRIA OFERTA: a) separar dois ou mais meninos (depende do tamanho da congregação) para tirar a oferta. Falar antecipadamente para que os mesmos venham bem vestidos, pois irão exercer o papel de diácono. OPORTUNIDADES: a) cantores b) pregadores c) programações MENSAGEM: escalar um professor de crianças ou convidar alguém para ministrar a palavra. ENCERRAMENTO: dirigente 2) Como Organizar as crianças que serão escaladas para o Culto? Deverão ser separadas antecipadamente; No mínimo uma semana de antecedência; Avisar aos pais para eles poderem colaborar no culto das crianças; As crianças pequenas devem ser treinadas para desde cedo começar a trabalhar na casa do Senhor; Às irmãs pode combinar quem irá ficar responsável em escalar cada criança exemplo: a) Às dirigentes do Conjunto pode ficar responsável por quem vai cantar; b) Às dirigentes da oração por quem vai tirar a oferta e intercessão missionária, momento missionário, leitura da palavra e oração; c) Às professoras da Escola dominical por quem vai pregar. INFORMAÇÕES ADICIONAIS IMPORTANTES: Todas as atividades devem ser desenvolvidas pelas crianças. A equipe organizadora do culto deve combinar previamente com o Agente de Missões da congregação, pois o mesmo pode também ter alguma sugestão para acrescentar. A bíblia nos diz que um ao outro ajudou e ao companheiro diz esforça-te. A equipe organizadora deve entregar ao Agente de Missões a programação do Culto com os nomes das crianças e ao lado as respectivas atividades referentes à liturgia do culto. SUGESTÃO: PROGRAMAÇÃO DO CULTO DA CRIANÇA MISSIONÁRIA - TEMPLO HORÁRIO DESENVOLVIMENTO RESPONSAVEL 19h00 /19h30min ABERTURA ORAÇÃO INICIAL: HINOS DA HARPA CONJUNTOS Dirigente da congregação 19h30 /19h40 LEITURA DA PALAVRA ORAÇÃO PELA LEITURA CRIANÇA CRIANÇA 19h40 /19h45min APRESENTAÇÕES DOS VISITANTES CRIANÇA 19h45/19h50min MOMENTO DE LOUVOR – OPCIONAL GRUPO DE CRIANÇAS 19h500/20h00min MOMENTO MISSIONARIO INTERCESSÃO MISSIONÁRIA Pode ser: Informativo lido por uma criança, peça, jogral ou outros... 20h00/20h05min LOUVOR SOLO OU CONJUNTO OFERTA: MENINOS CRIANÇAS 20h05/20h30min OPORTUNIDADES: Pregadores, cantores, testemunhos... CRIANÇAS 20h300/20h50min MENSAGEM: Professor escalado ou convidado especial para ministrar a palavra 20h50/21h00min ENCERRAMENTO Dirigente da congregação MODELO ESCALA DA PROGRAMAÇÃO DO CULTO DA CRIANÇA MISSIONÁRIA-TEMPLO HORÁRIO DESENVOLVIMENTO RESPONSAVEL ABERTURA ORAÇÃO INICIAL: HINOS DA HARPA CONJUNTOS LEITURA DA PALAVRA ORAÇÃO PELA LEITURA APRESENTAÇÕES DOS VISITANTES MOMENTO DE LOUVOR – OPCIONAL MOMENTO MISSIONARIO INTERCESSÃO MISSIONÁRIA LOUVOR SOLO OU CONJUNTO OFERTA: MENINOS OPORTUNIDADES: Pregadores, cantores, testemunhos... MENSAGEM: ENCERRAMENTO VI – Consideração final É importante considerar, que há um potencial grandioso em nossas crianças, não há limites para elas, com sua inocência e espontaneidade, se for evangelizando vão distribuindo folhetos e falando de Cristo com muito mais ousadia que a maioria dos adultos. Se for para apresentar alguma programação fazem com a maior naturalidade e sinceridade. Aprendi desde pequena servir ao Senhor, às experiências que vivi são inesquecíveis. Eu e as demais crianças fazíamos com grande alegria o trabalho do Senhor mesmo sem termos a consciência, que temos hoje como adultos. O Culto infantil é um desafio, mas vale a pena tê-lo em nossa igreja. Tenha um programa criativo e dinâmico, pois sabemos que as crianças estão em pleno crescimento e as experiências que elas adquirem na infância vão marcar por toda a vida. Portanto as crianças precisam aprender também que fazer missões não é uma opção: é um ato de obediência a Jesus Cristo. Os missionários (e pastores e obreiros cristãos) de amanhã frequentam os trabalhos infantis de hoje. Por isso, as escolas dominicais, os cultos infantis, os círculos de oração enfim, todos os trabalhos dirigidos às crianças precisam ensinar-lhes a vida de consagração reivindicada pelo cristianismo do Mestre, Jesus Cristo. VII - REFERÊNCIAS MANUAL PRÁTICO PARRA O CULTO INFANTIL / Rawderson Rangel e Manoel Xavier – Curitiba: A.D. SANTOS EDITORA, 2006. 120p. 1ª edição do autor sob o título “Culto Infantil não é Bicho-Papão”. PERGUNTAS IMPORTANTES/ [coordenação de] Peggy Smith Fonseca. - - 2. Ed. Rio de Janeiro: UFMBB, 2002. 64P.---(Sugestões de Culto para Crianças; 4) O MUNDO DE DEUS/ [autorias de] Delma Bastos Carvalho e André de Souza Lima. - - nº 3. Ed. São Jose dos Campos - SP: Editora Cristã Evangélica, 2001. 80P.---(Manual do dirigente - Culto infantil -;7 a 10 anos) 52 MANEIRAS DE ENSINAR MISSÕES ATIVIDADES SIMPLES PARA CRIANÇAS DE 4-12 ANOS NANCY S. WILLIAMSON - Eulália de Andrade P. Kregness. - 1a Edição - Dezembro de 2004 - Publicado no Brasil com a devida autorização e com todos os direitos reservados por: SHEDD PUBLICAÇÕES LTDA-ME. - São Paulo-SP MISSÕES E VOCÊ/ [autorias de] Delma Bastos Carvalho e Viviene Morais de Souza. - - nº 6. Ed. São Jose dos Campos - SP: Editora Cristã Evangélica, 2002. 78P.---(Manual do dirigente - Culto infantil -;7 a 10 anos) APOSTILA – Um programa criativo no Culto Infantil - Ed. Cristã Evangélica – Ref. Congresso de Professores e Superintendentes da EBD - Organizado pela Editora Cristã Evangélica – Tema: “Um ensino forte para uma igreja Madura”. Ano 2002 – Em Recife – PB. CULTO INFANTIL - Disponível em: http://www.escoladominical.net/forum/viewtopic.php?f=4&t=2284&start=15 –Acessado em: 16/06/2010 ANEXO 1 Lista de Livros para o Culto Infantil – Editora Cristã Currículo para 6 anos O Kit é composto de: • Manual do Dirigente - Menores (4 a 6 anos) com recursos didáticos coloridos. • Manual do Dirigente – Maiores (7 a 10 anos) com recursos didáticos em preto e branco. Nº 1 – Conhecendo o Único Deus (Trindade) Nº 2 – Cânticos de Louvor (Livro dos Salmos) Nº 3 – O Mundo de Deus (Criação, Ecologia) Nº 4 – A Bíblia – que Livro Especial Nº 5 – Certo ou Errado? Nº 6 – Missões e Você Nº 7 – João – o Amigo Amado (A vida e os escritos de João) Nº 8 – Crescendo na Vida Cristã Nº 9 – O Povo de Deus Reunido (Tabernáculo, Templo e Igreja) Nº 10 – Aprenda com as Famílias da Bíblia Nº 11 – Festas Bíblicas e Atuais N° 12 – Alcançando Vitórias (Ester, Esdras e Neemias) Nº 13 – Imitando Jesus Nº 14 – Uma Luta Diferente (Armadura de Deus e oração) Nº 15 – Profetas de Deus Nº 16 – Perguntas e + perguntas Nº 17 – Viagens pelos Lugares da Bíblia Nº 18 – O Missionário Corajoso Idade do culto infantil Este material de culto infantil visa às crianças de quatro a dez anos de idade. Para dinamizar o trabalho sugerimos conforme o manual orienta, que separem as crianças em dois grupos: "menores (crianças de 4 a 6 anos) e "maiores" (crianças de 7 a 10 anos). Os Kits acompanham - Atividades em Família - Pasta com bloco de atividades a serem feitas com a família, para estimular o culto doméstico, dando oportunidade à criança de expressar o que aprendeu. ANEXO 2 Maneiras de ensinar Missões, 52 - Nancy S. Williamson Atividades simples para crianças de 4 a 12 anos Neste livro você encontrará 52 atividades animadíssimas, fáceis e convenientes, que ensinarão a seus filhos, e alunos o conceito e a importância de missões. Sugestões e exemplos de atividades dinâmicas coletadas do Manual para o Culto Infantil 2000 - Ed. Sinodal. - colocar a criança na situação de um dos personagens.Antes de contar a história de Zaqueu propor que uma suba na mesa e observe as demais no chão e deixar que comentem suas reações; ou na história de um cego, antes de começar a história, proponha que fechem os olhos e tentem caminhar até o outro lado da sala ou abrir um pacote, e ouvir as descobertas e sentimentos. Na história da dracma perdida, esconder moedas na sala, para que as crianças procurem (pode ser moedas de chocolate também). - explorar o conhecimento prévio das crianças.Na mesma história de Zaqueu, ao invés de experimentar subir na mesa, perguntar e ouvir os relatos das crianças sobre quando já subiram em árvores e qual a sensação que tiveram. Se a história fala de um mendigo, perguntar sobre os mendigos que vêem na rua, como será que eles se sentem, etc... - permitir que participem durante a história. 1. combinar no início da aula, cada vez que aparecer o cachorro na história vocês devem dar dois latidos e cada vez que alguém bater à porta, vocês batem 3 vezes na mesa. (especificar bem a quantidade para evitar bagunça e dispersão). 2. distribua as figuras de personagens da história antes de começar e peça a cada criança que coloque o seu personagem na hora em que ele aparecer na história. (Ex. na história da ovelha perdida, prepare as ovelhas antes da aula com as crianças e peça que as segurem; quando você falar que o pastor tinha muitas ovelhas, peça às crianças que as coloquem na mesa; quando uma fugir, você mesmo a tira e continua a história. - Dramatização (cena muda / mímica / fantoches)1. Para fixação da história, divida a turma em grupos e peça que cada grupo encene, sem palavras ou com bonecos que eles mesmos façam usando sucata, uma parte da história e deixe os outros adivinharem que parte é (você pode distribuir papéis com as cenas ou deixar que eles escolham as partes que mais gostaram). 2. Formar duplas, e cada dupla tem que inventar uma cena ou mímica, para que os outros adivinhem, sobre como usará o que aprendeu na história no seu dia a dia. - Painel (em grupo) 1. Colagem - com recortes de revistas e papel colorido, sobre uma folha de papel bem grande, criar a cena mais interessante da história.2. Colagem de palavras - depois de contar a história, pedir que digam palavras, sentimentos, expressões que reflitam o que pensam sobre a história e fazer uma colagem usando todas as palavras recortadas de revistas, ou escritas em pedaços de papel colorido. - Fazer um objeto ou produto que seja importante para a históriaNa parábola do fermento, preparar uma massa de pão no início da aula, no final observar quanto cresceu, e levar para casa para assar. Usar argila ou papier-machê para fazer objetos: cesta de papier-machê - inflar um balão, e alternar cola branca e tiras de jornal; na última camada usar papel colorido (revistas); deixar secar um pouco e estourar o balão. Cortar a borda superior e fazer as alças de tubos de papel de revista trançados. - Envolver a comunidade 1. Trazer uma pessoa para ser entrevistada ou contar seus relatos na aula (ex. Batismo, trazer um pai com fotos do batismo de seus filhos; uma pessoa que esteve doente e sentiu Deus agir na sua cura, etc..) 2. Preparar cartões sobre a mensagem da história aprendida para serem distribuídos aos adultos após o culto. No domingo de Ramos, levar as crianças a enfeitar o pórtico da igreja, durante o culto, para surpreender a comunidade na saída. Preparar lembrancinhas para serem levadas a amigos na escola, ou a vizinhos; ou a pessoas doentes num hospital.Nota publicada na Revista NovaEscola.www.uol.com.br/novaescolaNovembro 2001.

sábado, 8 de novembro de 2014

Liderança

A importância do líder “Deixem vir a mim as crianças, não as impeçam; pois o Reino de Deus pertence aos que são semelhantes a elas” (Mc 10.14). No decorrer dos séculos, muitos crentes têm rejeitado os esforços das crianças para se aproximarem do Salvador. Charles Spurgeon, um famoso pregador inglês, escreveu: “Que maravilha será ver nossas crianças firmadas na doutrina da redenção por Cristo! Se forem prevenidas contra os falsos evangelhos desta era perversa, e ensinadas a firmar-se na rocha eterna da obra consumada de Cristo, podemos esperar que a próxima geração venha a manter a fé e que será melhor do que a de seus pais”. Não é preciso muitas pesquisas para perceber o quanto Jesus ama as crianças. Ele demonstrou isso quando as abraçava e as abençoava: “Em seguida, tomou as crianças nos braços, impôs-lhes as mãos e as abençoou”. (Mc 10.16) Ainda existem muitas igrejas que não dão o devido valor ao ministério infantil, encaminhando sempre quem não tem dom para cantar, dançar, pregar, para ficar com as crianças, como se esse ministério fosse menos importante. O diabo não pensa assim. Ele investe pra valer nas crianças, prova disso são as infinidades de programas, desenhos, brinquedos, jogos, etc, que são criados para elas; cheios de novidades, cores e muitos outros atrativos. Sabemos que a criança é um produto do meio em que ela vive, tudo o que ela ouve, assiste na TV, aprende na escola, contribui para a formação da sua personalidade e caráter. “Qualquer, porém, que fizer tropeçar um destes pequeninos que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse afogado na profundeza do mar” (Mt 18.6) Jesus ama mesmo as crianças! Nós as afastamos dEle, quando fazemos pouco caso do ministério infantil, quando as deixamos numa salinha improvisada enquanto seus pais assistem ao culto, quando não as levamos a igreja, quando não valorizamos os professores e líderes que cuidam delas e nem investimos, deixando-os sozinhos carregando este “peso”. Está na hora de acordar! O Senhor nos confiou essa responsabilidade. Devemos ser a principal influência e referência em suas vidas. É preciso investir nesse ministério. Gosto de afirmar que as crianças fazem parte do corpo de Cristo, portanto elas não são “a igreja de amanhã”, mas já são a igreja de hoje. Quantos problemas seriam evitados, quantos adolescentes seriam saudáveis e quantos adultos sábios e maduros teríamos nas igrejas, se tão somente investíssemos no ministério infantil! É mais fácil ensinar a criança no caminho que ela deve andar do que tratar dos desvios de caráter, feridas na alma, traumas, rebeldias, dos adultos. Fico imaginando quantas coisas lindas o Senhor tem guardado em seus tesouros! Se temos a mente de Cristo, podemos fazer melhor do que tudo que o mundo oferece. As dificuldades que as pessoas sentem em trabalhar com as crianças vêm da falta de preparo, orientações, materiais. Como qualquer outro ministério é preciso se preparar. O amor é fundamental, mas os cursos e treinamentos darão suporte e quanto mais ministros, menos trabalho, então ficará fácil e prazeroso. Vale a pena gastar um pouco mais em salas amplas, bonitas e coloridas, com brinquedos, lápis de cor, joguinhos, músicas e brincadeiras. Criança é criança em qualquer tempo e lugar, não dá para mudar a realidade de que elas vivem fantasiando, imaginando, pensando. Tudo isso é muito saudável e importante. Não precisamos de robozinhos, mas de crianças livres para pensar, aprender, criar. Quem alcançará as crianças? As crianças são escolhidas por Deus ainda no ventre materno. João Batista, Moisés, Samuel, Sansão e o próprio Jesus, dentre outras, são histórias que nos mostram os propósitos de Deus na vida das crianças e o cargo que ocuparão no futuro. Deus nos delegou a responsabilidade de evangelizar as crianças, muitas estão morrendo sem salvação. - “Ide ... (Mc 16.15 - “Deixai... (Mc 10.14) - “Apascenta os meus cordeiros... (Jó 21.15) - “Não é da vontade de Deus que uma criança se perca ... (Mt 18.14) - “Ensinar as doutrinas fundamentais as crianças ... (Ex 12. 26-27) - “Desde o menor deve ouvir os mandamentos ... (II Reis 23.2 – II Cr 20.13 – Dt 6.7-31 – Ef 6.4) Os ensinamentos devem começar em casa com os pais, assim como na igreja. Leia Esdras 10.1: “Enquanto Esdras estava orando e confessando, chorando prostrado diante do templo de Deus, uma grande multidão de israelitas, homens, mulheres e crianças, reuniram-se em volta dele.” Aqui é possível ver que as crianças também participaram de uma sessão de arrependimento, junto a adultos. Para evitar que as crianças se tornem adultos rebeldes e maus, elas precisam aprender desde cedo a conhecer o poder de Deus e também as suas obras: “Povo meu, escute o meu ensino; incline os ouvidos para o que eu tenho a dizer. Em parábolas abrirei a minha boca, proferirei enigmas do passado; O que ouvimos e aprendemos, o que nossos pais nos contaram. Não os esconderemos dos nossos filhos, contaremos à próxima geração os louváveis feitos do SENHOR, o seu poder e as maravilhas que fez. Ele decretou estatutos para Jacó, e em Israel estabeleceu a lei, e ordenou aos nossos antepassados que a ensinassem aos seus filhos, de modo que a geração seguinte a conhecesse, e também os filhos que ainda nasceriam, e eles, por sua vez, contassem aos seus próprios filhos. Então eles porão a confiança em Deus; não esquecerão os seus feitos e obedecerão aos seus mandamentos. Eles não serão como os seus antepassados, obstinados e rebeldes, povo de coração desleal para com Deus, gente de espírito infiel.” (Sl 78.1-8) A CRIANÇA PRECISA SER SALVA “Sei que sou pecador desde que nasci, sim desde que me concebeu minha mãe.” Sl 51.5 “Desviam-se os ímpios desde a sua concepção; nascem e já se desencaminham, proferindo mentiras.” Sl 58.3. “Da mesma forma, o Pai de vocês, que está nos céus, não quer que nenhum destes pequeninos se perca”. Mt 18.14 CRIANÇA É BÊNÇÃO! “Da boca de pequeninos e crianças de peito tiraste perfeito louvor”. Mt 21.16 “Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos pequeninos.” Mt 11.25. As crianças estão com o coração aberto a aceitar e reter os ensinamentos bíblicos. Elas devem ser contadas como membros da igreja, pois fazem parte do corpo de Cristo. Para ser salvo não é preciso entender tudo, basta crer e aceitar pela fé a palavra de Deus. “Pois com o coração se crê para justiça, e com a boca se confessa para salvação” Rm 10.10. As crianças dependem de nós para mostrar-lhes o caminho: “Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele.” Pb 22.6.

sábado, 11 de outubro de 2014

Marcos 10:13-16 Qual o Problema central a se abordar num tema como esse? Certamente o problema não está no PAPEL. Acredito que o problema a ser abordado aqui é bem mais abrangente. Muitas vezes em se tratando de ministério infantil, o problema está no pastor e nele também podem estar as soluções para os desafios deste ministério. Vale dizer logo de início que ministério Infantil é coisa Séria. E para falar de um ministério sério como esse nada melhor do que falar de alguém que levou as crianças a sério: JESUS. É neste texto de Marcos 10 de 13 a 16 que vamos tirar importantes lições sobre como Jesus nos mostra a seriedade no trato com as crianças. William Barclay diz que só compreenderemos a beleza desta passagem quando observamos quando esse fato aconteceu. Jesus estava indo para Jerusalém. Ele marchava para a cruz. Foi nessa caminhada dramática, dolorosa, que ele encontrou tempo em sua agenda e espaço em seu coração para acolher as crianças, orar por elas e abençoá-las. A primeira lição deixada por Jesus aqui é que devemos DEDICAR UM TEMPO PRECIOSO DO NOSSO MINISTÉRIO PARA AS CRIANÇAS. Em muitas igrejas e ministérios as crianças são deixadas em segundo plano. A igreja investe em missionários, seminaristas, músicos, mas não em líderes e professores para o ministério infantil e também não há critério algum para escolha daquelas pessoas que estarão pastoreando o coração de nossas crianças. Como primeira direção para esta reflexão entendemos que o pastor e ou líder do ministério infantil precisa ser como Jesus foi: 1. UM INCENTIVADOR DOS QUE TRAZEM AS CRIANÇAS A JESUS – (10.13) As crianças não vieram; elas foram trazidas. Algumas delas eram crianças de colo, outras vieram andando, mas todas foram trazidas. Devemos ser facilitadores e não obstáculo para as crianças virem a Cristo. Os pais ou mesmo parentes reconheceram a necessidade de trazer as crianças a Cristo. Eles não as consideram insignificantes nem acharam que elas pudessem ficar longe de Cristo. Esses pais olharam para seus filhos como bênção e não como fardo, como herança de Deus e não como um problema (Sl 127.3). Aqueles que trazem as crianças a Cristo reconhecem que elas precisam de Jesus. Era costume naquela época, os pais trazerem seus filhos aos rabis para que eles orassem por eles. A palavra grega paidia referia-se a fase da primeira infância até ao período da pré-adolescência. Lucas usa brephos (Lc 18.15), que a princípio significa bebê, depois também criança pequena, mas nos versos 16 e 17 também tem duas vezes paidion. As crianças podem e devem ser trazidas a Cristo. Na cultura grega e judaica as crianças não recebiam o valor devido, mas no Reino de Deus elas não apenas são acolhidas, mas também são tratadas como modelo para os demais que querem entrar. Adolf Pohl corretamente interpreta o ensino de Jesus, quando afirma: Não deixe as crianças esperar; não hesite em trazê-las para as mãos de Jesus, não conte com “mais tarde”: mais tarde, quando você for maior, quando entender mais a Bíblia, quando for batizado, etc. As crianças podem ser trazidas com muita confiança no poder salvador de Jesus. O reinado de Deus rompe a barreira da idade assim como a barreira sexual (o evangelho para mulheres), da profissão (para cobradores de impostos), do corpo (para doentes), da vontade pessoal (para endemoninhado) e da nacionalidade (para gentios). Portanto, também as crianças podem ser trazidas dos seus cantos para que Jesus as abençoe. (Evangelho de Marcos. 1998: p. 297.) O pastor e ou líder do ministério infantil precisa ser como Jesus foi: 2. UM REMOVEDOR DE OBSTÁCULOS QUE IMPEDEM AS CRIANÇAS DE VIREM A CRISTO – (10.13) Alguém perguntou a Gandi, o líder espiritual da Índia: “Qual é o maior impedimento para o Cristianismo na Índia?” Ele respondeu: “Os cristãos”. Os discípulos de Cristo mais uma vez demonstram dureza de coração e falta de visão. Em vez de serem facilitadores, tornaram-se obstáculos para as crianças virem a Cristo. Eles não achavam que as crianças fossem importantes, mesmo depois de Jesus ter ensinado claramente sobre isso (Marcos 9.36,37). Os discípulos não compreenderam a missão de Jesus, a missão deles e nem a natureza do Reino de Deus. Os discípulos repreendiam aqueles que traziam as crianças por acharem que Jesus não devia ser incomodado por questões irrelevantes. O verbo grego usado pelos discípulos indica que eles continuaram repreendendo enquanto as pessoas traziam seus filhos. Eles agiam com preconceito. Podemos impedir as pessoas de trazerem as crianças a Cristo por comodismo, por negligência, ou por alguma falsa compreensão espiritual, vejamos: a) Achar que as crianças não são importantes; b) Pensar que elas não precisam da Salvação; c) Achar que pessoas “importantes”, tem coisa mais importante do que as crianças para considerar. Isso é uma falsa compreensão do papel e da importância do Ministério infantil. Para desenvolver um bom ministério infantil é preciso dedicar tempo às crianças. Lembre-se: Ministério Infantil é coisa Séria. E digo mais, Ministério infantil não é circo. Por fim, qual seria o real papel do pastor no ministério infantil? 3. O PAPEL PRINCIPAL DE UM PASTOR É ABENÇOAR AS CRIANÇAS – (10.16) Ninguém mais do que Jesus abençoou as crianças. Jesus demonstra amor, cuidado e atenção especial com todos aqueles que eram marginalizados na sociedade. Ele dava valor aos leprosos, aos enfermos, aos publicanos, às prostitutas, aos gentios e agora, às crianças. O “porquê” desse modo de agir de Jesus? Certamente ele conhecia a fundo as necessidades das crianças. Jesus sabia que... Uma criança precisa de amor. Uma criança precisa se sentir segura. Uma criança precisa se sentir aceita. Uma criança precisa de disciplina. Uma criança precisa do reconhecimento do seu valor. Jesus procurou atender essas necessidades básicas da criança. Este exemplo deixado por Jesus no serve de encorajamento. O encorajamento era para os pais das crianças e para as próprias crianças, embora a palavra tenha sido dirigida aos discípulos: “Deixar vir a mim os pequeninos, não os embaraceis, porque dos tais é o reino de Deus” (10.14). Jesus manda abrir o caminho de acesso a ele para que as crianças possam vir. Encontramos uma grande verdade enfatizada aqui: A afeição de Jesus às crianças – (10.14) Não é a primeira vez que Jesus demonstra amor às crianças. Ele diz que quem recebe uma criança em seu nome é o mesmo que receber a ele próprio (Mc. 9.36,37). Jesus afirma, por outro lado, que fazer uma criança tropeçar é uma atitude gravíssima (Mc. 9.42). Agora, Jesus acolhe as crianças, toma-as em seus braços, ora por elas, impõe as mãos sobre elas e as abençoa (10.16). Podemos ver neste episódio claramente a indignação de Jesus – (10.14). Jesus se indignou quando viu que os discípulos afastaram as pessoas em vez de introduzi-las a ele. A palavra grega AGANAKTEO sugere uma forte emoção. Este é o único lugar nos evangelhos onde Jesus dirige sua indignação aos discípulos, exatamente quando eles demonstram preconceito com as crianças. Jesus já ficara indignado com seus inimigos, mas agora fica indignado com os discípulos. É a única vez que o desgosto de Jesus se direciona aos próprios discípulos, quando se tornam estorvo em vez de bênção, quando eles levantam muros em vez de construir pontes. A indignação de Jesus aconteceu concomitantemente com o seu amor. A razão pela qual ele se indignou com os seus discípulos foi o seu amor profundo e compassivo para com os pequeninos, e todos os que os trouxeram. Falamos para as crianças comportarem-se como os adultos, mas Jesus ensinou que os adultos devem imitar as crianças. Jesus é enfático, quando afirma: “... porque dos tais é o reino de Deus” (10.14). Isso tem a ver com a natureza do reino de Deus. Como abençoar as crianças???? Jesus não apenas acolhe as crianças e repreende os discípulos, mas faz outras coisas importantes: Ele toma as crianças em seus braços. Com isso Jesus revela seu carinho, aceitação, valorização, proteção e cuidado com as crianças. Ele impõe as mãos sobre as crianças. Os pais trouxeram as crianças para que Jesus as tocasse (Lc 18.15) e orasse por elas (Mt 19.13). Jesus em vez de concordar com os discípulos, mandando-as embora, chamou-as para junto de si (Lc 18.16) e impôs sobre elas as mãos. Jesus invocou as bênçãos espirituais sobre aquelas crianças. Jesus toma a primeira criança em seus braços e coloca a sua mão na cabeça do infante. Então, com ternura ele a abençoa por meio de uma oração valiosa ao Pai, para que seu favor seja derramado sobre ela. Ao terminar sua oração, ele devolve a criança para a pessoa que a havia trazido, pega a criança seguinte, e assim sucessivamente, até ter abençoado todas elas. Para concluir, vale lembrar que receber o reino de Deus como uma pequena criança significa aceitá-lo com simplicidade e confiança genuína, bem como humildade despretensiosa. O reino de Deus é o domínio de Deus no coração e na vida do ser humano juntamente com todas as bênçãos que resultam desse domínio. Entrar no reino é ser salvo, é ter a vida eterna. Nós estamos ajudando ou atrapalhando as crianças de virem a Cristo? Estamos recebendo o reino de Deus com a confiança sincera de uma criança? Jesus, em vários momentos da Bíblia, valorizou e deu grande importância às crianças (Mt 18.1-5; Mc 10.14). Ele disse também (João 21.15) para Simão Pedro apascentar, instruir, doutrinar os seus cordeiros, ou seja, as crianças, já que cordeiro é o filho ainda novo da ovelha. Antes porém Jesus lhe perguntou: “Pedro você me ama?”. Se você ama a Jesus e ama as crianças, certamente você amará o que você faz e o resultado do seu trabalho será o fruto do seu amor a Jesus. Uma enfermeira fazia curativos em muitas feridas de um paciente. Alguém, impressionado, disse-lhe: "Nem por um milhão eu faria um trabalho desses". Ela após ter ouvido o que ele disse respondeu-lhe: "Eu também não, mas faço tudo por amor a Jesus, como se estivesse cuidando dele. Ele me amou, cuidou da minha dor, das minhas feridas. Estou retribuindo esse amor".

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Dinâmicas e jograis

♥Dinâmicas e jograis♥ jogral- Deus cuida de mim - por Priscilla Cavoto Deus sempre cuida de mim Ele fez as flores, as plantas, os animais, Uniu os meus pais, Sim, Ele cuida de mim! Carinho, amor, alegria... Uai, Ele me dá todo o dia! Isso tudo pra eu compartilhar, Deus me deu amigos para amar! Amigos para eu cuidar! Deu também a natureza E esta é uma beleza! Meus animais... Instantes especiais... Minha vida para Deus, sempre quero fazer mais! __________________________________________________________________________________ Dinâmicas para serem usadas com as crianças e com os professores Amar ao próximo como a si mesmo. Os participantes são colocados sentados formando um círculo. A pessoa que está coordenando a dinâmica, sem dizer o objetivo do jogo dá a seguinte instrução: cada um deve escolher uma tarefa para a pessoa que está a sua direita e esta deverá executá-la no centro da roda. Após todos terem dado as tarefas o coordenador dá nova instrução: a tarefa deverá ser executada pela pessoa que a inventou. ____________________________________________ Tomé, onde está a sua fé? É muito parecida com a brincadeira 'Detetive' cujos personagens são: o assassino, o detetive e as vítimas. Na brincadeira 'Tomé, onde está a sua fé?' teremos novos personagens: Jesus, Tomé e os discípulos. Esta é uma brincadeira para ilustrar a mensagem de fé transmitida na passagem bíblica de Tomé. Material: Tiras de papel e caneta. Escreva sobre um papel 'Jesus', sobre outro 'Tomé' e tantos 'Discípulos' quantos necessários para completar o número de crianças. Dobre os papéis e sorteie. As crianças se colocam num círculo e Jesus deve discretamente piscar com um olho para qualquer das crianças, enquanto Tomé tenta descobrir qual criança é Jesus. Jesus é sinal de vida nova, quando ele piscar, se a criança for um discípulo deverá dizer:- 'Jesus está presente e vivo no meio de nós!'Tomé não acredita que Jesus está presente no meio dos discípulos porque não o vê, procura descobrir onde está Jesus. Quando Tomé descobrir, ou pensar que descobriu, este indicará a pessoa dizendo: - Mestre, é você mesmo? Caso a criança que Tomé indicou seja um dos discípulos, estão, quem estiver representando Jesus, manifesta-se dizendo:- Tomé, onde está a sua fé??? Inicia-se a brincadeira novamente! A criança que foi o Tomé pode redistribuir os papeizinhos com os personagens. ________________________________

VII Congresso-Crescendo com Cristo



♥Datas comemorativas♥ Dia das crianças Jogral: O Semeador JOGRAL : A PARÁBOLA DO SEMEADOR Quantidade de crianças: 6 CRIANÇAS + OU -Dicas: Coloque as crianças fantasiadas de plantinhas. Pode ser uma máscara feita de papel cartão e elástico. a roupa dode ser de TNT verde. Você pode variar, colocando algumas de flores, outras de árvores e assim por diante. arrume o jogral em um papel ou pastinha para cada uma delas. Início TODOS- Eis que o semeador saiu a semear.E, ao semear, uma parte caiu à beira do caminho,e, vindo as aves, a comeram. 1ª criança - Outra parte caiu em solo rochoso,onde a terra era pouca,e logo nasceu, visto não ser profunda a terra.Saindo,porém, o sol , a queimou; e , porque não tinha raiz, secou -se. 2ª criança - Outra caiu entre os espinhos, e os espinhos cresceram e aa sufocaram. 3ª criança - Outra, enfim caiu em boa terra e deu frutos; a cem, a sessenta,e atrinta por um. 4ª criança -Quem tem ouvidos para ouvir, ouça. TODOS - Atendei vós, pois à parábola do semeador. 5ª criança - A todos os que ouvem a palavra do reino e não a compreendem, vem o maligno e arrebata o que lhes foi semeado no coração. 1ª criança - Este é o que foi semeado à beira do caminho . 2ª criança - O que foi semeado em solo rochoso , esse é o que ouve a palavra e a recebe logo , com alegria; TODOS - Mas não tem raiz em si mesmo, sendo, antes, de pouca duração; 6ª criança - Em lhe chegando a angústia ou a perseguição por causa da palavra, logo se escandaliza. 3ª criança - O que foi semeado entre os espinhos é o que ouve a palavra, porém os cuidados do mundo 4ª criança - E a fascinação das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera. 5ª criança - Mas o que foi semeado em boa terra é o que ouve a aplavra e a compreende; 6ª criança - Este frutifica e produz a cem, a sessenta e a trinta por um. TODOS - Que possamos ser como a boa terra, frutificando e produzindo a cem , a sessenta e a por um. (BASEADO NO LIVRO DO EVANGELHO DE MATEUS CAP.13 VER.3 ATÉ 23) Fonte:trabalhinhos.blogspot _________________________________________________________ JOGRAL INFANTIL CANTO: CRISTO AMA AS CRIANCINHAS ORIENTADORA- Senhor Jesus, aqui estamos diante de ti, um grupo de crianças, que quer expressar sua alegria de serem crianças amadas pelo senhor. TODOS- Olhe para nós com bondade, ó Jesus! VOZ 1- Ser criança é ser cuidada com carinho e dedicação pelos adultos. TODOS- Olhe para nos com bondade ó Jesus! VOZ 2- Ser criança é ter no coração, amor, bondade, respeito, pureza e espontaneidade. TODOS- Olhe para nós com bondade, ó Jesus! VOZ 3- Ser criança é estar crescendo, cada dia diante de Deus e diante das pessoas. TODOS- Olhe para nós com bondade, ó senhor Jesus! ORINTADORA- Ler Mc. 10. 13 - 16 LEITOR- Jesus e as crianças - Então alguns levaram crianças para Jesus por as mãos sobre elas e orar. Mas os discípulos zangaram-se com eles. Aí Jesus disse: Deixem que as crianças venham a mim e não atrapalhem, porque o reino do céu é dos que são como estas crianças. Então pôs as mãos sobre elas , e as abençoou. TODOS- Abençoa a palavra de Deus! ORIENTADORA- O. texto bíblico nos mostra que Jesus gosta das crianças e as abençoa, como também em nenhum momento as recusou. TODOS- (cantam) ORIENTADORA- Convidamos a todos para ficarem em pé e orarmos pelas crianças. VOZ 1- Senhor, pelas crianças aqui presentes e por todas as crianças, faça-as crescer , guardando no coração a alegria, o amor, o respeito e a bondade. TODOS- (incluir a comunidade) Atendei nossa oração, Senhor! VOZ 2- Pelos pais e por todos que cuidam de crianças, para que se lembrem do carinho de Jesus pelas crianças e cuidem delas com o mesmo carinho! TODOS- Atendei a nossa oração, Senhor! VOZ 3- Pelas crianças do mundo inteiro, especialmente pelas crianças tristes e abandonadas para que encontrem pessoas que lhes deem amor, carinho, educação, e alimento. TODOS- Atendei nossa Oração, Senhor! ORIENTADORA- Senhor Jesus, que acolheste e abraçaste as crianças, abençoais as criança desta comunidade, as crianças abandonadas; dê a elas um lar. Cuidai de todas as crianças de nosso mundo, para que elas tenham um lar cristão. cresçam no bem, com amor carinho e educação, que podemos lhes dar. ORINTADORA- convidamos todos para cantar e também como oração, do cancioneiro a canção 204 “ um dia uma criança me parou”. Vamos ser aquela criança que aparece na letra da musica. ___________________________________________________________ A MAIS SUBLIME LIÇÃO (jogral - 5 crianças) 1ª criança- A glória dos filhos são os pais e os filhos a herança do Senhor. Todos- Crianças, agradeçamos a Deus neste dia, pelos pais, pelos filhos, pelo amor. 2ª criança- Guarda o mandamento do teu pai- é o conselho do grande Salomão que acrescenta com sabedoria: 3ª criança- O filho sábio do pai ouve a instrução. 4ª criança- O Senhor disciplina a quem ama como o pai ao filho a quem quer bem. 5ª criança- Corrigindo-os com entendimento, visando a glória de uma vida além. 1ª criança- Como um pai se compadece do seu filho também o nosso Deus assim o faz- se compadece daqueles que O temem. Todos- Dando-nos bênçãos de perdão e paz! 2ª criança- O pai do justo se regozijará; seu coração se enche de alegria. 3ª criança- Pois teme o seu filho ao Senhor, que é o princípio da sabedoria. 4ª criança- Vós filhos, obedecei a vossos pais no Senhor. 5ª criança-Não provoqueis, ó pais, os vossos filhos, criai-os nos caminhos do Senhor. Todos- E crescendo não se desviarão pra honra e glória do Seu Criador. Fonte:trabalhinhos.blogspot ____________________________________________

E.B.D. Escola Bíblica..a importância!

Prof. Joany Bentes Como educadores cristão, não podemos de forma alguma descurar da responsabilidade em preparar nossas crianças a viverem num mundo globalizado, cuja ênfase é a busca por mais conhecimento. Nossa missão, apesar de difícil, tem de ser integralmente cumprida, a fim de que nossos filhos destaquem-se como testemunhas de nosso Senhor Jesus. Para chegarem à estatura de "varão perfeito" Ef 4:13, os pequenos dependem da orientação correta, embasada na Bíblia Sagrada, pois é na infância que se dá a formação do caráter. Então surge a pergunta: O que é caráter? Existem centenas de definições para caráter, mas após muitas pesquisas podemos concluir que caráter é a capacidade de ação e reação mediante fatos sejam estes bons ou maus. São traços da natureza humana que podem ser alterados e que se constituem a partir das relações familiares, ambientais, pedagógicas e sociais. É imprescindível que pais e professores da EBD estejam cientes de seus papeis como educadores e influenciadores do caráter de seus filhos, para isso Salomão aconselha: "Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, quando envelhecer não se desviara dele" (Pv.22.6). Qualidades que contribuem para formação do caráter: Humildade - "Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens. E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz". Filipenses 2:7;8 Mansidão – "Que a ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas modestos, mostrando toda a mansidão para com todos os homens". Tito 3:2 Longanimidade – "O Senhor é longânimo e grande em misericórdia, que perdoa a iniqüidade e a transgressão, ainda que não inocenta o culpado, e visita a iniqüidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta gerações". Números 14.18. Pode-se citar também os frutos do espírito, que se observados contribuíram na formação do caráter da criança. Foi assim com o menino Jesus, ele "...crescia em sabedoria estatura e graça diante de Deus e dos homens" (Lc. 2 . 52)Desde o primeiro momento da vida o ser humano começa a aprender. Quando a criança é pequena (dois a três anos) ela aprende a escolher entre o que é bom e que não é. Nessa idade se desenvolve a parte moral do caráter. Também aprende auto-controle, auto-segurança e desenvolve a coragem. Atenção dobrada as crianças de 0 a 6 anos, período em que incide a educação infantil, o desenvolvimento emocional, cognitivo e o crescimento sensório-motor da criança estão em ampliação e os infantes carecem de uma atenção maior na sua orientação educativa. É importante que professor e aluno tenham um bom relacionamento e para isso o professor precisa ter uma postura que compreenda. a) Saber ouvir os membros do grupo; b) Facilitar a integração do grupo; c) Não ser intransigente ou repressor; d) Estabelecer limites para o grupo; e) Não marginalizar ou rejeitar alguém do grupo; f) Agir de acordo com suas palavras; g) Não usar o grupo para seus interesses pessoais; h) Evitar descarregar os seus problemas no grupo; i) Ser sincero com o grupo. A eficácia do aprendizado depende do professor que deve conservar em mente as qualidades indispensáveis a um bom professor, sem as quais nem métodos criativos, recursos pedagógicos ou didáticos terão qualquer efeito, são eles: a) Ter Cristo como salvador: e senhor da sua vida; b) Ter liderança; c) Ter amor e interesse pelas crianças; d) Ser organizado; e) Cuidar de sua aparência pessoal; f) Praticar o que ensina; g) Pensar nos mínimos detalhes; h) Não desanimar diante de opiniões de pessoas que fazem oposição ao seu trabalho. Importante: O professor da EBD tem que tomar uma postura ,frente as investidas do mundo através das mídias de comunicação,pois as nossas crianças são invadidas e violentadas diariamente com pornografia audiovisual, além de outros conteúdos que deturpam os valores morais que alicerçam a fé cristã. A formação do caráter cristão vai além das limitações humanas, está ligada à ação do Espírito Santo na vida das crianças, fato que só será possível se a criança for estimulada a confiar em Deus. A fé das crianças e a Escola Bíblica DominicalO professor da EBD, que trabalha com os pequenos, precisa estar ciente do seu compromisso e deve ter como objetivo principal "a fé das crianças" LEFEVER, M. (2003). As crianças precisam aprender a falar com Deus, amar ao próximo, amar a Deus, e obedecer a sua palavra. Tais ensinamentos devem ser transmitidos na EBD. Observa o desenvolvimento da fé das crianças por fases: A FÉ DO BEBÊ Conceito-chave: Confiança Relacionamentos significantes: Mãe e Pai. Para uma criança desta faixa etária, somos as mãos e o rosto de Jesus.I I – A FÉ DAS CRIANÇAS DE 1 A 3 ANOS Conceito-chave: Autonomia Relacionamentos significantes: Pais e professores da Escola Dominical. Tais crianças: • Aprendem através de encenações de histórias bíblicas. • São capazes de aprender que Deus criou todas as coisas. • Compreendem que a Bíblia é um livro maravilhoso, cheio de histórias especiais; é o Livro de Deus. • Aprendem sobre Jesus enquanto se movimentam. Aprendizes tátil-cinestésicos. • Aprendem a orar. III – A FÉ DAS CRIANÇAS DE 3 E 4 ANOS Conceito-chave: Amor e Iniciativa Relacionamentos significantes: Professores da Escola Dominical, pastor, família Tais crianças:• Gostam de frequentar "a própria igreja" (Escola Dominical). • Aprendem a orar. • Gostam de recontar histórias sobre Jesus. • Aprendem a fazer mímicas de histórias bíblicas e de atitudes de Jesus. • Interessam-se por Deus. • Confundem Jesus e Deus. • Desenvolvem uma consciência sensível. • Perguntam sobre Jesus mais para interagirem com os professores do que para ouvirem respostas. • Desenvolvem conhecimentos bíblicos. • Permanecem apredendo a respeito de Jesus enquanto se movimentam. • Desenvolvem bons hábitos da vida cristã. • Aceitam Jesus como Salvador pessoal. IV – A FÉ DAS CRIANÇAS DE 5 E 6 ANOS Conceito-chave: Amor e Diligência Relacionamentos significantes: Vizinhança, escola e igreja. Tais crianças: • Podem compreender o conceito de Deus como Criador. • Costumam fazer perguntas. • Temem a Deus porque Ele vê tudo que fazem. • Desenvolvem o conceito de Deus e Jesus como pessoas reais Identificam os personagens da Bíblia como reais. • Consideram a oração importante. • Orgulham-se da capacidade de ler em sua própria Bíblia. • Começam a compreender a "Adoração". • Podem envolver-se em projetos simples, como "ajudar". • 40% passam da aprendizagem bíblica tátil-cinestésica para a leitura visual (palavras e imagens). V – A FÉ DAS CRIANÇAS DE 7 E 8 ANOS Conceito-chave: Aprender a amar. Tais crianças: • Estão esclarecidas quantos aos conceitos de certo e errado. • Desejam ser boas. • Começam a perceber a influência da consciência e os erros dos outros. • São capazes de sentir vergonha, podem admitir seus erros, mas frequentemente transferem a culpa de seus erros para "outros". • Têm seu interesse por Deus aumentado gradativamente. • Estão amadurecendo os conceitos acerca da morte e da ressurreição de Jesus. • São capazes de estudar a Bíblia sozinhos. • Usam de modo coerente o conteúdo das Escrituras e o que ouvem na Igreja. • Já possuem um desenvolvimento significativo na área do pensamente simbólico. • Estão ampliando sua visão de mundo. VI – A FÉ DAS CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS Conceito-chave: Justiça Relacionamentos significantes: Grupos de mesmo nível, igreja e modelos de lideranças seculares. Tais crianças: • Correspondem ao ensino sobre o caráter de Deus. • Aprendem mais facilmente a respeito da vida cristã por intermédio de projetos do que por exposição. • Começam a constatar que devem seguir suas próprias convicções acerca de Jesus. • Propõe perguntas mais difíceis do que as dos adultos. • São capazes de compreender o plano da salvação. • Compreendem o propósito da oração. • Desenham heróis da Bíblia e da igreja local. • Possuem uma necessidade de pertencer ao grupo. • Personalizam sua sexualidade a partir de uma perspectiva cristã. • Adquirem uma compreensão básica da ética bíblica. • São capazes de julgar suas póprias ações à luz das atitudes de Jesus. • Frequentemente fazem confusão entre o certo e o errado. VII – A FÉ DOS ADOLESCENTES Conceito-chave: FidelidadeA maioria das pessoas que consolida sua fé até os 12 anos permanece fiel pelo resto de sua vida. Conclusão É inegável que a criança que tem uma fé alicerçada em Cristo terá seu caráter formado dentro dos padrões espirituais e nesse sentido a EBD é em todos os aspectos um centro de influência positiva. O professor da EBD deve buscar em Deus e na sua palavra a sabedoria necessária para conduzir os pequenos ao principal objetivo da vida cristã, "o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo" Efésios 4:12,13. REFERÊNCIAS BÍBLIA SAGRADA. Tradução de João Ferreira de Almeida. Versão corrigida.LEFEVER,M.Métodos Criativos de ensino: como ser um professor eficaz.Rio de Janeiro:CPAD,2003

APAIXONADA POR JESUS E ELE POR MIM

JOGRAL

___________________________________________________________________________Jogral - O Nome de Jesus
Todos - Muito antes do Messias À terra vir habitar Seu Pai procurou com amor Um lindo nome lhe dar.
1 - Seu nome será Maravilhoso,Porque maravilhas ele fará, Fará prodígios e curas, Até mortos ressuscitará.
2 - Seu nome será Conselheiro Porque conselhos dará,Através de sermões e parábolas Que ao povo pregará.
3 - Seu nome será Deus Forte Pois a tudo vencerá Vencerá até a morte, Porque ressuscitará.
4 - Seu nome será Príncipe da PazPorque a paz pregará. E quem for pacificador Bem-aventurado será.
5 - Seu nome será Pai da Eternidade Porque eterno ele é.Ele estava no princípio com Deus Reconciliando o mundo através da fé.
6 - Seu nome será Emanuel,"Deus Conosco" - quer dizer.Quem o buscar de coração Ele pode socorrer.
7 - Seu nome será Cristo Porque será sofredor,Será ferido, humilhado E pregado numa cruz de horror.
Todos - JESUS - é o mais belo nome Acima de todos está.

SE NÃO AGRADA A DEUS TÔ FORA

SE NÃO AGRADA A DEUS TÔ FORA
DIGA NÃO AO HALLOWEEN