sexta-feira, 6 de novembro de 2009

A arte de contar histórias



O que é uma historia?O que caracteriza uma historia e uma serie de eventos que levam a um fim imediato.São eventos que se completam e que fazem da historia uma experiência que começou,se desenvolveu,chegou ao auge e terminou.Os elementos essenciais a uma boa historia são:Começo – As perguntas “quem”,”quando”,”onde” devem ser respondidas no inicio,despertando o interesse do ouvinte.Enredo – É a sucessão dos episódios ou eventos que constituem a historia,os conflitos que surgem e a ação dos personagens.Deve ser claro,possuir seqüência lógica,não se perder em pormenores inúteis e desenvolver-se de modo que os fatos aumentem de intensidade ate atingirem o ponto culminante.Clímax ou ponto culminante – É a conclusão lógica de tudo o que veio antes.Determina a lição que se deseja ministrar.Não precisa ser necessariamente uma surpresa, porem,não deve estar muito à vista desde o começo.A historia sem ponto culminante é uma historia fraca,de pouco interesse para as crianças.Conclusão – Será simples e satisfatória,de modo que o ouvinte sinta que a historia terminou.O bom narrador não comete o erro de prolongar a historia depois de atingir o ponto culminante e nem menciona a moral.A moral deve ser explicita,e compete ao ouvinte descobri-la e assimila-la de acordo com sua necessidade.
Estudando a história
Leia a historia em voz alta do começo ao fim.(Leitura audível é processo mais seguro na escolha de uma historia do que leitura silenciosa)
Fixe na mente a seqüência lógica dos eventos.O que aconteceu primeiro,depois e depois...
Nunca decore a historia.A memorização é perigosa,porque a memória pode falhar e você ficara em situação difícil.Conte a historia em voz alta a você mesma,usando suas próprias palavras.Leia outra vez do começo ao fim.Conte-a outra vez.Evite burilar parágrafo por parágrafo,porque a tentação de decorar será mais intensa.Tenha certeza de que tem,fixo na mente,os nomes dos personagens e a seqüência lógica dos acontecimentos.Querendo,pode decorar uma boa frase para a introdução,o ponto culminante e a conclusão.
Viva a historia ao contá-la.Ensaie algumas vezes diante do espelho,porem,não sempre.Sua atenção deve fixar-se na historia e não em si.Se os personagens se tornarem reais para você,tornar-se-ão para as crianças também.
Em casos de extrema necessidade,faça um esboço para consultar na hora,usando apenas os pontos principais da historia.
Conte historias.A experiência é também uma grande mestra.Comece com um grupinho ou um só ouvinte.A medida que adquirir experiência enfrentara auditórios maiores.Contando historias
Há necessidade de muita oração tanto na escolha como no preparo e na apresentação da historia.
Você precisa ter verdadeiro amor pelos ouvintes e um desejo ardente de revelar-lhes alguma coisa que você sabe.
A apresentação da historia é a chave do sucesso.A mensagem do evangelho nunca deve ser apresentada descuidadamente.A voz e o instrumento principal.É preciso treiná-la,pois a voz humana é algo maravilhoso que pode ser desenvolvida,ao ponto de produzir muitos efeitos.Use palavras e termos que suas crianças conhecem.
Aguarde silencio antes de começar.
Procure olhar bem nos olhos das crianças e não por cima de suas cabeças.Se você desviar o olhar para outras coisas,elas farão o mesmo.
Use apenas gestos que lhe forem naturais.Nada de afetação.
Seja simples e sóbria.Jóias e roupas espalhafatosas desviam a atenção.
Conte a historia devagar.As crianças precisam de tempo para reagir,por isso dê-lhes tempo.Entretanto,não conte a historia de maneira a convidar interrupções e perguntas.Se surgirem,e as vezes surgirão,ignore-as,quando possível.
Se esqueceu uma parte,vá adiante.Não volte atrás,dizendo:”Ah,esqueci de dizer...”O remédio para prevenir o esquecimento é estudar bem a historia.
Dê colorido à historia com palavras expressivas e apele aos sentidos dos ouvidos.
Permita que a historia atinja o fim,sem que você precise acrescentar a moral.
Conte a historia com encanto e prazer.
Esqueça-se de si e viva a historia.
Poderá também gostar de:

Aulas dinâmicas melhoram a aprendizagem


"A dupla giz e quadro negro está cada vez mais ultrapassada." É o que garante um estudo realizado pelo NTL Institute for applied Behavioral Science, organização americana especializada em estudos sobre o comportamento humano.
Segundo o trabalho, a retenção das informações pelos alunos varia conforme o método utilizado pelo educador: aulas meramente expositivas são menos eficazes do que as enriquecidas com exemplos práticos, atividades lúdicas e discussões em grupo. 'Aprendemos mais quando somos levados a refletir e a estabelecer relações' explica o professor Sérgio Leite do Departamento de Psicologia Educacional da Universidade Estadual de Campinas. Veja abaixo os números levantados pelo instituto americano: Palestra 5% Leitura 10% Audiovisual 20% Demonstrações 30% Grupos de discussão 50% Exercícios práticos 75% Ensinar aos outros e uso imadiato 80%
Sugestões e exemplos de atividades dinâmicas coletadas do Manual para o Culto Infantil 2000 - Ed. Sinodal.
- Colocar a criança na situação de um dos personagens. Antes de contar a história de Zaqueu propor que uma suba na mesa e observe as demais no chão e deixar que comentem suas reações; ou na história de um cego, antes de começar a história, proponha que fechem os olhos e tentem caminhar até o outro lado da sala ou abrir um pacote, e ouvir as descobertas e sentimentos. Na história da dracma perdida, esconder moedas na sala, para que as crianças procurem (pode ser moedas de chocolate também).
- Explorar o conhecimento prévio das crianças. Na mesma história de Zaqueu, ao invés de experimentar subir na mesa, perguntar e ouvir os relatos das crianças sobre quando já subiram em árvores e qual a sensação que tiveram. Se a história fala de um mendigo, perguntar sobre os mendigos que vêem na rua, como será que eles se sentem, etc... - permitir que participem durante a história.
1. combinar no início da aula, cada vez que aparecer o cachorro na história vocês devem dar dois latidos e cada vez que alguém bater à porta, vocês batem 3 vezes na mesa. (especificar bem a quantidade para evitar bagunça e dispersão).
2. distribua as figuras de personagens da história antes de começar e peça a cada criança que coloque o seu personagem na hora em que ele aparecer na história. (Ex. na história da ovelha perdida, prepare as ovelhas antes da aula com as crianças e peça que as segurem; quando você falar que o pastor tinha muitas ovelhas, peça às crianças que as coloquem na mesa; quando uma fugir, você mesmo a tira e continua a história.
- Dramatização (cena muda / mímica / fantoches)
1. Para fixação da história, divida a turma em grupos e peça que cada grupo encene, sem palavras ou com bonecos que eles mesmos façam usando sucata, uma parte da história e deixe os outros adivinharem que parte é (você pode distribuir papéis com as cenas ou deixar que eles escolham as partes que mais gostaram).
2. Formar duplas, e cada dupla tem que inventar uma cena ou mímica, para que os outros adivinhem, sobre como usará o que aprendeu na história no seu dia a dia.
- Painel (em grupo)
1. Colagem - com recortes de revistas e papel colorido, sobre uma folha de papel bem grande, criar a cena mais interessante da história.
2. Colagem de palavras - depois de contar a história, pedir que digam palavras, sentimentos, expressões que reflitam o que pensam sobre a história e fazer uma colagem usando todas as palavras recortadas de revistas, ou escritas em pedaços de papel colorido.
- Fazer um objeto ou produto que seja importante para a história .Na parábola do fermento, preparar uma massa de pão no início da aula, no final observar quanto cresceu, e levar para casa para assar. Usar argila ou papier-machê para fazer objetos: cesta de papier-machê - inflar um balão, e alternar cola branca e tiras de jornal; na última camada usar papel colorido (revistas); deixar secar um pouco e estourar o balão. Cortar a borda superior e fazer as alças de tubos de papel de revista trançados.
- Envolver a comunidade
1. Trazer uma pessoa para ser entrevistada ou contar seus relatos na aula (ex. Batismo, trazer um pai com fotos do batismo de seus filhos; uma pessoa que esteve doente e sentiu Deus agir na sua cura, etc..)
2. Preparar cartões sobre a mensagem da história aprendida para serem distribuídos aos adultos após o culto. No domingo de Ramos, levar as crianças a enfeitar o pórtico da igreja, durante o culto, para surpreender a comunidade na saída. Preparar lembrancinhas para serem levadas a amigos na escola, ou a vizinhos; ou a pessoas doentes num hospital.
Autor Desconhecido
Nota: Se você é autor dessa postagem,me avise para que eu te dê o crédito,ou a retire se for o caso.

MISSÕES



Precisamos trabalhar o amor por Missões nos corações das crianças que evangelizamos,porque somente assim teremos crentes adultos comprometidos com a obra missionária.Estarei postando dicas e histórias para serem trabalhadas com suas crianças.Espero que gostem.
Atividade inicialDê a cada criança um coração de papel com lã colorida amarrada nas laterais de ambos os lados. Ao fazer isso, abrace a criança e diga o quanto ela é especial para você e para Jesus. Reforce que a sua presença ali é muito importante. Dê uma caneta hidrocor para cada criança escrever seu nome no coração que recebeu. Agora, as crianças deverão unir os fios de lã do coração aos fios de lã dos seus amigos da direita e da esquerda, para formar uma corrente de corações. Para fechar o elo, amarre um coração com o nome de Jesus. Diga que o que nos une é o amor de Jesus, que nos aceita do jeito que somos, que nos dá valor e nos ajuda a fazer isso uns pelos outros.HistóriaBase bíblica: Lucas 19.1-10Certo dia, Jesus estava andando na cidade de Jericó. Em pouco tempo, a notícia de que Jesus estava na cidade foi se espalhando. Quem conhecia Jesus contou a seu amigo, que contou aos seus parentes, que contaram aos seus vizinhos até que uma multidão de pessoas se juntou para vê-lo de perto e ouvir os seus ensinamentos. A notícia sobre Jesus acabou chegando aos ouvidos de Zaqueu e ele também quis conhecer aquele visitante especial de quem todos falavam. Só que, ao se aproximar do local onde Jesus estava, ele percebeu que a tarefa não seria fácil. Era tanta gente junta que nem de longe dava para ver um pedacinho do rosto de Jesus. E como Zaqueu era um homem baixinho, a situação ficava pior. Ele pulou, pediu licença, empurrou, mas nada de conseguir ver Jesus. Mas, que maravilha, lá na frente, bem no caminho onde Jesus ia passar havia uma árvore. Imaginem qual foi a ideia de Zaqueu? Subir na árvore!!! E foi o que ele fez: subiu na árvore e ficou esperando Jesus passar embaixo. Em pouco tempo, a multidão foi se aproximando e Jesus junto com ela. E, quando Ele passou bem debaixo da árvore onde Zaqueu estava, parou. Todos pararam com Ele. Jesus olhou para a árvore e viu Zaqueu. Só que Ele não viu Zaqueu com os olhos da multidão. As pessoas viam em Zaqueu uma pessoa ruim, detestável, ninguém lhe dava valor. Jesus viu Zaqueu com olhos de amor, de compaixão, de quem dá importância ao que as pessoas são de verdade e não ao que parecem ser. Jesus disse: – Zaqueu, desce dessa árvore. Quero conversar com você, e por isso hoje vou me hospedar em sua casa. Que felicidade para Zaqueu! Ele desceu bem rápido da árvore e mostrou a Jesus onde era sua casa. As pessoas que estavam com Jesus fecharam a cara e torceram o nariz para aquela atitude. Como Jesus podia ter feito isto? Com tanta gente boa por ali e Jesus preferiu ficar na casa de Zaqueu, uma pessoa da qual ninguém gostava?! Mas, ao ter dado valor para Zaqueu, Jesus tocou no seu coração. Assim Zaqueu entendeu que ele também tinha sido mau com outras pessoas e muitas vezes ele tinha feito por merecer o desprezo dos outros. Ele pediu a Jesus a chance de mudar e de tê-lo como Senhor de sua vida. Naquele dia houve salvação para Zaqueu, pois aceitando a Jesus ele se tornou filho de Deus. Agora, ele poderia seguir os ensinamentos de Jesus e corrigir os erros do seu passado.Atividade para reflexão Quando Jesus viveu aqui na terra, Ele viveu como um ser humano. Ele sabia o que era sofrer e o que era ser magoado. É por isso que Jesus entendeu os sentimentos de Zaqueu e também entende nossos sentimentos e necessidades. A Bíblia diz em Isaías 53.2 que Jesus não tinha nenhuma beleza, que quando olhavam para Ele as pessoas que não o conheciam até viravam o rosto. Ele sofreu desprezo e foi rejeitado. Como estas pessoas perderam com o sentimento ruim que guardavam no coração, chamado preconceito! Perderam a oportunidade de conversar com o Filho de Deus em pessoa! Com Zaqueu foi diferente, ele aceitou a Jesus.

O NÓ DO AFETO





Em uma reunião de pais, numa escola da periferia, a diretora ressaltava o apoio que os pais devem dar aos filhos; pedia-lhes, também, que se fizessem presentes o máximo de tempo possível.Ela entendia que, embora a maioria dos pais e mães daquela comunidade trabalhassem fora, deveriam achar um tempinho para se dedicar e entender as crianças. Mas a diretora ficou muito surpresa quando um pai se levantou e explicou, com seu jeito humilde, que ele não tinha tempo de falar com o filho, nem de vê-lo durante a semana, porque, quando ele saía para trabalhar, era muito cedo e o filho ainda estava dormindo e, quando voltava, já era muito tarde, e o garoto não mais estava acordado. Explicou, ainda, que tinha de trabalhar assim para prover o sustento da família, mas também contou que isso o deixava angustiado por não ter tempo para o filho e que tentava se redimir, indo beijá-lo todas as noites quando chegava em casa. E, para que o filho soubesse da sua presença, ele dava um nó na ponta do lençol que o cobria. Isso acontecia religiosamente todas as noites quando ia beijá-lo. Quando o filho acordava e via o nó, sabia, através dele, que o pai tinha estado ali e o havia beijado. O nó era o meio de comunicação entre eles. A diretora emocionou-se com aquela singela história e ficou surpresa quando constatou que o filho desse pai era um dos melhores alunos da sua turma.

O que realmente importa não é a quantidade de tempo que passamos com alguém e sim o quanto de amor e atenção ,dispensamos à esse alguém nesse tempo que passamos com ele.

Pense nisso!

Poderá também gostar de:
O dilúvio
Princípios para uma boa didática
9 MANEIRAS DE SER UM PROFESSOR EFICIENTE
Garoto,martelo e pregos
Ensinando a orar

APAIXONADA POR JESUS E ELE POR MIM

JOGRAL

___________________________________________________________________________Jogral - O Nome de Jesus
Todos - Muito antes do Messias À terra vir habitar Seu Pai procurou com amor Um lindo nome lhe dar.
1 - Seu nome será Maravilhoso,Porque maravilhas ele fará, Fará prodígios e curas, Até mortos ressuscitará.
2 - Seu nome será Conselheiro Porque conselhos dará,Através de sermões e parábolas Que ao povo pregará.
3 - Seu nome será Deus Forte Pois a tudo vencerá Vencerá até a morte, Porque ressuscitará.
4 - Seu nome será Príncipe da PazPorque a paz pregará. E quem for pacificador Bem-aventurado será.
5 - Seu nome será Pai da Eternidade Porque eterno ele é.Ele estava no princípio com Deus Reconciliando o mundo através da fé.
6 - Seu nome será Emanuel,"Deus Conosco" - quer dizer.Quem o buscar de coração Ele pode socorrer.
7 - Seu nome será Cristo Porque será sofredor,Será ferido, humilhado E pregado numa cruz de horror.
Todos - JESUS - é o mais belo nome Acima de todos está.

SE NÃO AGRADA A DEUS TÔ FORA

SE NÃO AGRADA A DEUS TÔ FORA
DIGA NÃO AO HALLOWEEN